Foto: Vinicius Schmidt/Metrópoles

A rivalidade criada entre Brasiliense e Ceilândia nos últimos anos no DF entrou em campo valendo vaga na Copa Verde. Na noite desta quinta-feira (7/3), após 43 minutos de atraso por problemas na iluminação, a bola rolou no gramado da Boca do Jacaré, para um jogo enroscado, que terminou em um empate sem gols. Com o resultado, a vaga foi decidida nas penalidades, com vitória amarela por 4 x 1.

O Jacaré converteu todos as cobranças com João Santos, Júlio Lima, Wallace e Kersul. O Gato Preto perdeu os chutes de Paulinho (trave) e Everaldo, que parou em Ravel. A vitória garantiu o Brasiliense nas quartas de final da competição, para enfrentar o Cuiabá, em jogos de ida e volta.

O jogo

Os dois treinadores optaram por entrar com o time misto, o que deixou o jogo com uma qualidade abaixo do esperado no clássico. O primeiro tempo teve apenas cinco arremates ao gol. Com o Jacaré um pouco melhor no início, controlando mais a posse, a equipe chegou aos sete minutos. Após recuperar a bola no meio, João Santos acionou Luquinhas na ponta, que bateu cruzando pela linha de fundo.

O time da casa finalizou novamente aos nove minutos. Tarta bateu pela esquerda uma falta fontal de longa distância.

Com raras escapadas no contra-ataque, o Ceilândia sempre tinha desvantagem numérica contra a defesa amarela. Com essa dificuldade, o primeiro chute da equipe saiu caos 38 minutos, com um chute de fora de Pedro Bambu, isolado por cima da meta.

O Jacaré teve a melhor chance da primeira etapa aos 42 jogados. João Santos invadiu a área rabiscando os marcadores até sair na cara do gol. O ponta tentou cobrir o goleiro Henrique, que fez a defesa com o peito.

Sem conseguir triangular passes para achar espaços, o Gato Preto usou novamente o tiro de fora para tentar assustar o goleiro Ravel, que não trabalhou na primeira etapa. Aos 45’, Pedro Bambu pegou a sobra e bateu cruzado pelo lado direito da linha de fundo.

Segundo tempo

O ritmo na segunda etapa não mudou muito. As equipes cadenciaram o jogo com toques e perdas de bola no meio e não progrediram em jogadas ofensivas. Ainda assim, o Jacaré seguia melhor. Aos 12’, João Santos recebeu na entrada da área e soltou uma bomba, que Henrique teve dificuldades na defesa, espalmando para o meio da área.

O Gato Preto tinha um padrão em seu ataque: chutes de fora de Pedro Bambu. Aos 18’, o volante recebeu na ponta direita e arriscou de primeira um chute que se perdeu pela linha de fundo sem levar perigo ao gol.

Após a chegada dos visitantes, o jogo ficou mais intenso, com domínio amarelo. Aos 18 minutos, Jacaré iniciou um bombardeio. Diego Xavier abriu para Tarta na direita, que bateu cruzando em cima de Henrique. No minuto seguinte, Kersul acertou um chutaço de fora, que foi desviado para escanteio pelo goleiro com um leve toque.

Aos 22’, o centroavante Yan Lima saiu para buscar a bola e, na entrada da área, bateu firme a meia altura em cima do arqueiro alvinegro. No lance seguinte, Tarta ficou com a sobra e chutou sem equilíbrio por cima do gol.

Alternando as jogadas, o Brasiliense apresentava um repertorio maior buscando furar o bloqueio do Gato Preto. Aos 24’, Diego Xavier cavou no meio da área para Tarta cabecear pela linha de fundo. Com 28’, Matheus Falero recebeu na ponta, girou em cima da marcação e bateu rasteiro. A bola cruzou a frente do gol até sair.

O Ceilândia só voltou a se arriscar no ataque aos 31 minutos. Kennedy recebeu na entrada da área e bateu firme rente ao travessão.

Nos minutos finais, o Jacaré ainda teve duas chances de matar a partida. Aos 43’, Júlio Lima levantou para Yan Lima, que não conseguiu dominar a bola para o chute com o gol aberto. Logo depois, Kersul ficou livre para chutar de fora, e o arremate saiu muito perto da trave direita. Com o 0 x 0 no placar, a vaga foi para a disputa de pênaltis.

Penalidades

Nas cobranças, o Jacaré converteu todos os arremates, com João Santos, Júlio Lima, Wallace e Kersul. O Ceilândia acertou a primeira penalidade, com Júlio César, mas Paulinho parou na trave e Ravel pegou o chute de Everaldo, assegurando a classificação do Brasiliense para a terceira fase da competição.

BRASILIENSE 0 X 0 CEILÂNDIA (4 x 1 PÊNALTIS)

Copa Verde – segunda fase

07/03/2024, 20h – Boca do Jacaré, Taguatinga-DF

Árbitro: Anderson Ribeiro-GO
Árbitro Assistente 1: Thiago Henrique dos Santos-GO
Árbitro Assistente 2: André Luiz Severo-GO
Quarto Árbitro: Pedro Alves de Oliveira-DF

BRASILIENSE

Ravel; Caetano (Daniel Mendonça), Keynan, Dudu e Júlio Lima; Wallace, Tarta (Matheus Falero) e Lila (Kersul); Tobinha (Diego Xavier), João Santos e Luquinhas (Yan Lima)

Técnico: Vilson Tadei

Cartões amarelos: Tarta

CEILÂNDIA

Henrique; Paulinho, Euller (Bosco), Pedro Henrique e Everaldo; Júlio César, Foguinho, Pedro Bambo (Felipe Clemente) e Luiz Felipe (Railson); Elbinho e Edson Reis

Técnico: Adelson de Almeida