Brasiliense conquista o 11º título do Candangão após empate com o Ceilândia – Brasiliensefc.com.br
brasiliense-conquista-o-11o-titulo-do-candangao-apos-empate-com-o-ceilandia

Brasiliense conquista o 11º título do Candangão após empate com o Ceilândia

brasiliense-conquista-o-11o-titulo-do-candangao-apos-empate-com-o-ceilandia

Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

 

O Distrito Federal se pintou de amarelo pela 11ª vez na história do Candangão. Na tarde deste sábado (9/4), o Brasiliense Futebol Clube se sagrou campeão da competição ao empatar em 1×1 com o Ceilândia no Abadião. O Jacaré tinha a vantagem do empate após vencer o primeiro jogo por 2×1, e fez valer o regulamento para conquistar a taça.

A equipe do Ceilândia jogou melhor no primeiro tempo, e abriu o placar com Gabriel Pedra. O Brasiliense voltou melhor para a segunda etapa, e com gol heroico de Aldo chegou ao empate e segurou o adversário para conquistar o título em cima do rival, repetido a edição de 2021.

O jogo

O jogo começou com muito equilíbrio, com as duas equipes buscando incomodar no ataque e sem medo de arriscar. O Ceilândia foi quem chegou com mais perigo, com Tarta finalizando. Aos dois minutos, o volante pegou a sobra na entrada da área e isolou o chute. Com nove jogados, o Gato Preto ganhou uma falta fontal a meia distância e Tarta foi para a cobrança. A bola saiu descaindo e se perdeu pela linha de fundo raspando a trave direita do Jacaré.

A equipe do Brasiliense tinha dificuldades de entrar na defesa do Ceilândia, e passou a arriscar os chutes de fora que saíram sem muito perigo. O primeiro foi com Ferrugem, aos dez minutos, mas a bola saiu muito por cima. Aos 16’, Goduxo tentou a bola de fora e também isolou o chute. Dois minutos depois, Ferrugem mais uma vez bateu de longe, mas dessa vez rasteiro e cruzado e a bola saiu pela direita sem muito perigo.

Aos 19’, Mirandinha invadiu a área e pegou mal na hora da finalização, colocando uma rosca que fez bola sair pela esquerda sem assustar o goleiro Edmar Sucuri. O Jacaré respondeu logo no lance seguinte. Andrezinho viu Matheus Kayser fora de posição e buscou o ângulo com um chute que saiu rente ao travessão. Três minutos mais tarde, Luquinhas fez jogada individual pela esquerda, fazendo fila com os defensores até entrar na área desequilibrado e bater fraco para fora.

A jogada forte do Ceilândia era as bolas que saíam dos pés de Tarta, e foi assim que a equipe abriu o placar. Aos 29’, o camisa 8 cobrou escanteio e Hericlis cabeceou travado com Badhuga. A bola sobrou para o próprio atacante do Gato Preto chutar torto em cima de Gabriel Pedra, que sem querer desviou para o fundo do gol.

Antes do intervalo, o Jacaré teve duas chances de empatar. Aos 35’, Zotti cobrou falta no travessão e no rebote Badhuga cabeceou por cima. Já nos acréscimos, Marcão recebeu de Andrezinho dentro da área, dominou na coxa e girou em cima da zaga chutando por cima da meta.

Jacaré busca o empate

O Brasiliense voltou para a segunda etapa amassando o Ceilândia. A equipe tinha mais velocidade e controle de bola no meio com as entradas de Tobinha e Radamés dos lugares de Luquinhas e Ferrugem, respectivamente. Aos seis minutos, Zotti cobrou escanteio direto para o gol e Matheus Kayser tirou de soco. Logo depois, Andrezinho fez um ótimo lançamento para a área e Aldo antecipou o goleiro, mas acabou cabeceando para trás.

Aos 11’, Tobinha fez uma linda jogada de efeito rabiscando a marcação na linha de fundo, só que na hora de finalizar, o atacante pegou muito em baixo em mais um chute do Jacaré que saiu isolado. Dois minutos depois, Zotti levantou a bola na cobrança de escanteio e Badhuga chegou testando com muito perigo por cima do gol.

Com a pressão, o Jacaré chegou ao empate quando eram marcados 22 minutos no cronometro. Andrezinho cobrou lateral para a área e Badhuga cabeceou no cantinho. Matheus Kayser fez a defesa espalmando nos pés de Aldo, que pegou a sobra e não perdoou. O capitão do Jacaré bateu firme e anotou o gol. 1×1 no placar.

O empate não interessava ao Ceilândia, que passou a apostar na velocidade do Romarinho pela direita para conseguir furar o bloqueio amarelo. Aos 29’, o atacante foi arrastando a marcação até inverter a bola na ponta direita para Hiwry escorar de cabeça por cima. Dois minutos depois, a jogada foi repetida. Romarinho levantou e Hiwry bateu de chapa por cima de Edmar Sucuri, mas Gustavo Henrique apareceu para fazer o corte e evitar o gol.

Correndo contra o tempo, o Ceilândia passou a pressionar, e construiu três grandes chances após os 40 minutos. Na primeira, Andrezinho falou ao afastar a bola e Romarinho pegou a sobra de bicicleta mandando pelo lado esquerdo do gol. Aos 41’, Gleissinho levantou e Romário cabeceou por cima. O último lance de perigou foi aos 48 minutos. Crystian cabeceou no canto e Edmar Sucuri faz a defesa assegurando o empate e o título amarelo pela 11ª vez na história do Candangão.

CEILÂNDIA 1 X 1 BRASILIENSE

Candangão – Quadrangular final – Jogo de volta

09/04/2022, 15h30 – Estádio Abadião, Ceilândia-DF

Árbitro: Maguielson Lima

A1: Lucas Modesto

A2: Renato Tolentino

4º árbitro: Gildevan Lacerda

VAR: Elmo Resende

Ass. VAR: José Reinaldo

CEILÂNDIA

Matheus Kayser; Medeiros, Vidal (Crystian), Igor e China (Gleissinho); Werick, Tarta e Cabralzinho; Mirandinha (Hiwry), Hericlis (Romarinho) e Gabriel Pedra (Romário).

Técnico: Adelson de Almeida

Gols: Gabriel Pedra (29’ 1T)

Cartões amarelos: Tarta, Werick, Mirandinha

BRASILIENSE

Edmar Sucuri; Andrezinho, Badhuga, Gustavo Henrique e Goduxo; Aldo, Ferrugem (Radamés) e Zotti; Luquinhas (Tobinha), Daniel Alagoano (Erick Daltro) e Marcão (Aloísio).

Técnico: Celso Teixeira

Gols: Aldo (22’ 2T)

Cartões amarelos: Andrezinho

André Gomes/Brasiliense FC