É Deca! Brasiliense é campeão do Candangão com uma campanha invicta – Brasiliensefc.com.br
e-deca-brasiliense-e-campeao-do-candangao-com-uma-campanha-invicta

É Deca! Brasiliense é campeão do Candangão com uma campanha invicta

e-deca-brasiliense-e-campeao-do-candangao-com-uma-campanha-invicta

Pela décima vez na história, o Brasiliense Futebol Clube levanta a taça do Candangão. Na tarde desse sábado (15/5), o Jacaré disputou o título contra a equipe do Ceilândia, e com o gol solitário de Keynan no primeiro tempo, o Estádio Mané Garrincha testemunhou a festa amarela.

O jogo foi um turbilhão de e emoções. A primeira etapa foi dominada pelo Brasiliense, que não deixou o adversário finalizar ao gol e foi para o intervalo com a vantagem que deu tranquilidade para administrar o jogo. A segunda etapa foi uma virada de chave. O Gato Preto passou a ser mais agressivo, e buscava o empate com muito volume de jogo, mas não conseguiu furar o sistema de jogo do Jacaré, que ficou com o título de forma invicta, com 15 vitórias e um empate.

Brasiliense resolve no primeiro tempo

O jogo na primeira metade da etapa inicial foi um retrato das características das equipes. Enquanto o Brasiliense tocava, trabalhava a bola e buscava o ataque, o Ceilândia esperava fechado no campo de defesa. Com esse ritmo, só o Jacaré chegava ao gol com chances reais de abrir o placar. Aos seis minutos, Diogo fez uma boa jogada pela direita e tocou para Zé Love finalizar em cima do goleiro Diego.

Explorando bem o lado direto, o Jacaré achava espaços na defesa do Ceilândia. Aos nove minutos, em outra escapada de Diogo, Peninha recebeu do lateral, ganhou a divida com Fernandinho e carimbou o travessão com uma batida cruzada.

A equipe amarela também apostava no elemento superpura, coma chegada de Zotti mais à frente. Aos 11’, Didira cobrou um escanteio que atravessou toda a área até achar o meia sozinho para bater de chapa pela linha de fundo. Pouco depois, Zotti dominou no meio campo, avançou e arriscou um chute que saiu rasteiro rente a trave esquerda.

Pela esquerda, o Brasiliense também se aproximava do gol. No cruzamento de Mário Henrique, Zé Love subiu e testou para o chão no cantinho. Diego desviou para escanteio. Na cobrança, a rede balançou. Peninha levantou para a área e Keynan, na primeira trave, cabeceou sem chances de defesa. 1×0 no placar.

Após o gol, o ritmo do Jacaré caiu, e o Ceilândia tentou se lançar com mais perigo, mas não conseguiu finalizar no primeiro tempo.  Antes do intervalo o Brasiliense quase chegou ao segundo gol. Zé Love fez um lindo passe quebrando a defesa para Peninha, que dominou dentro da área e finalizou e Diogo defendeu com o peito.

Ceilândia melhora, mas não evita a vitória amarela

O Ceilândia que não finalizou uma vez se quer no primeiro tempo, começou a segunda etapa balançando a rede, mas de forma irregular. Com dois minutos, Liel ajeitou de para Matheus Silva tocar para o fundo do gol, mas a auxiliar Leila Moreira levantou a bandeirinha anulando o empate. O Brasiliense respondeu logo depois, em uma tabelinha de Zé Love, Didira e Diogo, que bateu fraco facilitando a defesa.

Aos seis minutos, Geovane viu adefesa do brasiliense aberta e arriscou de longe, mas a bola saiu muito por cima. Com 13 jogados, Diogo cruzou para a área, o goleiro bateu roupa e Liel afastou a bola antes que o ataque do Jacaré aproveitasse a falha de Diogo.

Depois dos 14 minutos, o Gato Preto passou a dominar o jogo. Igor Pato foi para o jogo no lugar de Wisman, e na primeira participação bateu por cima do gol. Aos 19’, China recebeu sozinho na ponta esquerda, mas finalizou mal pela linha de fundo.

O final do jogo foi de muito perde e ganha, com chances para as duas equipes, mas sem efetividade. Com o apito final, o Brasiliense se sagrou decacampeão candango, e de forma invicta.

FICHA TÉCNICA

BRASILIENSE 1 X 0 CEILÂNDIA

Candangão 2021 – Final

15/05/2021, 15h – Mané Garrincha, Brasília, Distrito Federal

Árbitro: Sávio Sampaio

Assistente 1: Leila Moreira

Assistente 2: Lucas Modesto

Quarto Árbitro: Gildevan Lacerda

BRASILIENSE

Edmar Sucuri; Diogo, Keynan, Badhuga e Mário Henrique (W. Balotelli); Lídio (Aldo), Zotti, Didira (Gustavo Hnerique) e Peninha (Maicon Assis, depois Carlos Eduardo); Luquinhas e Zé Love

Técnico: Vilson Tadei

Gols: Keynan (20’ 1T)

Cartões amarelos: Mário Henrique, Zé Love, Didira, Lídio

CEILÂNDIA

Diego; Andrezinho, Liel, Lucas Franck (Rodrigo) e Fernandinho (China); Werick, Geovane (Gabriel Pedra) e William; Wisman (Igor Pato), Mirandinha (Felipe Goiano) e Matheus Silva

Técnico: Adelson de Almeida

Gols:

Cartões amarelos: Wisman, Mirandinha, Liel, Andrezinho

André Gomes/Brasiliense FC