No Espírito Santo, Brasiliense empata sem gols pelo duelo de ida da Copa Verde – Brasiliensefc.com.br
no-espirito-santo-brasiliense-empata-sem-gols-pelo-duelo-de-ida-da-copa-verde

No Espírito Santo, Brasiliense empata sem gols pelo duelo de ida da Copa Verde

no-espirito-santo-brasiliense-empata-sem-gols-pelo-duelo-de-ida-da-copa-verde

O Brasiliense entrou em campo na tarde deste sábado (27), no estádio Salvador Costa, na capital capixaba, para enfrentar a equipe do Vitória/ES pelo duelo de ida da Copa Verde. Em um duelo disputado e equilibrado, com direito a defesa de pênalti do Edmar Sucuri, o Jacaré mais uma vez saiu do Espírito Santo com o 0 a 0 na bagagem, levando a decisão do confronto para a Boca do Jacaré mais uma vez.

Mudanças na equipe e pênalti defendido por Sucuri

Com a mudança da estrutura do time para a Copa Verde, o Brasiliense entrou em campo com um sistema de jogo envolvendo mais marcação, mas puxando fortes ataques, tentando ligar o trio de atacantes, formado por Tony, Elcarlos e Jobson. Tentando segurar a bola no sistema ofensivo, o Jacaré envolvia a defesa dos capixabas, que aproveitavam os contra-ataques para impor perigo.

E logo no primeiro lance de perigo do Vitória na partida, os mandantes acabaram sofrendo pênalti, bem marcado pela arbitragem aos quatro minutos, após rápido contra-ataque, onde Carlos Victor acionou Jarles Baiano dentro da área e o meia foi deslocado por Edmar Sucuri. Na cobrança, Carlos Victor bateu forte e alto no lado direito e o arqueiro do Jacaré fez uma linda defesa, salvando a equipe do DF.

A partir daí, o Brasiliense dominou a partida. A equipe amarela, mantendo a posse de bola e o controle de jogo tentava criar boas oportunidades de jogo, principalmente com os jogadores de frente, que mostravam dinamismo e velocidade.

Na reta final do primeiro tempo, a melhor oportunidade saiu aos 36 minutos. Em cobrança de escanteio a bola foi desviada e sobrou para Almir que finalizou. No desvio, Murici pegou o rebote e bateu no meio do gol para boa defesa de Paulo Henrique.

Melhor em campo, o Brasiliense buscava o primeiro gol. Ainda, antes do apito final do primeiro tempo soar, Jobson tentou duas oportunidades, uma de cabeça, mandando para fora, aos 42 e outra, que o atacante pediu pênalti aos 46, mas que a arbitragem acabou mandando seguir, assim finalizando a primeira etapa.

Pressão, mas sem balançar a rede

No segundo tempo, o Brasiliense voltou para cima. Mantendo o ritmo forte ofensivo, o Jacaré avançava, mas não conseguia definir. A partir daí, os dois treinadores começavam a fazer mudanças, mas deixando o jogo no ritmo constante.

Tocando mais a bola na entrada da área, o Brasiliense explorava o avanço pela entrada da área. A marcação do Vitória, de uma forma mais intensa, marcava mais em cima, ocasionando muitas faltas na entrada da área, não aproveitadas pelo time candango.

A pressão mais uma vez deu ao Brasiliense a melhor chance do segundo tempo. Em uma jogada rápida, aos 18 minutos, Alex Murici deu um belo passe rasteiro para Jobson, que entrou na área e bateu colocado. A bola, caprichosamente, passou rente a trave direita do goleiro Paulo Henrique, que até pulou, mas não conseguiu defender.

Na medida em que o tempo passava, o jogo ficava mais cadenciado e faltoso. Consequentemente, a arbitragem distribuía vários cartões para ambos os lados, deixando a torcida impaciente com o andamento da partida, até a arbitragem encerrar o duelo sem gols, deixando o confronto aberto para a volta, no Distrito Federal.

Feliz com o desempenho do time, o treinador Ricardo Antônio mais uma vez foi objetivo ao analisar o desempenho da equipe na partida. Mesmo com a maior posse de bola e dominando na pressão, a rede não balançou, fator que será estudado e trabalhado para o duelo da volta.

“As mudanças deram outra cara para o Brasiliense. Jogamos mais um jogo duro, com chances de gol, mas saímos para o empate. Vamos trabalhar esses dois dias, quem sabe fazer mais alguns ajustes na equipe, para sairmos na quarta com a classificação”, ressaltou Ricardo Antônio.

Duelo de volta marcado para a próxima quarta-feira    

O empate sem gols no duelo da ida, deixou o confronto aberto para o jogo da volta, que será realizado na próxima quarta-feira (31), às 15h, na Boca do Jacaré, em Taguatinga. Para o Brasiliense, somente a vitória interessa, se quiser a classificação. Caso haja empate por qualquer número de gols, a vaga será decidida nos pênaltis. O classificado enfrentará o Goiás na próxima fase da competição nacional.

FICHA TÉCNICA

VITÓRIA/ES 0 X 0 BRASILIENSE

Copa Verde 2019 – jogo de ida

27/07/2019, 15h, Estádio Salvador Costa, Vitória/ES

Árbitro: Marcos Matheus Pereira/MS

A1: Eduardo Gonçalves da Cruz/MS

A2: Sérgio Alexandre da Silva/MS

4º árbitro: Felipe Duarte Varejão/ES

VITÓRIA/ES

Paulo Henrique, Cássio, Ferrugem, Léo Breno e Thainler; Nick, Rodrigo Cesar (Edinho), Dedê (Igor) e Carlos Victor; Vitinho (Nilo) e Jarles Baiano.

Técnico: Wesley Martinelli

Cartões amarelos: Igor, Cássio, Thainler e Rodrigo

BRASILIENSE

Edmar Sucuri; Alex Murici, Preto Costa, Badhuga e Peninha; Aldo, Radamés e Almir (Tchô); Tony (Romarinho), Elcarlos (Sandy) e Jobson.

Técnico: Ricardo Antônio

Cartões amarelos: Sucuri, Preto Costa, Almir, Radamés, Peninha e Romarinho

 

previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

 

Lucas Bolzan

Jornalista BrasilienseFC.com.br